busin
Politíca

Quem tem direito de decretar o meu fim é o povo brasileiro, diz Lula


Lula se pronunciou publicamente após ter sido condenado pelo juiz Sérgio Moro em um dos processos da Operação Lava Jato (Foto: Reprodução)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, 71, declarou, nesta quinta-feira (13), que vai reivindicar de seu partido, o PT, a indicação para concorrer à Presidência da República na eleição do ano que vem. Ele afirmou que, apesar da "idade avançada", "está disposto a brigar do mesmo jeito quanto tinha 32". "Estou mais experiente, estou tomando vitamina de manhã, estou fazendo ginástica. Quem acha que é o fim do Lula vai quebrar a cara. Somente na política, quem tem direito de decretar o meu fim é o povo brasileiro."

Essa foi a primeira vez que Lula, chefe do Executivo nacional por dois mandatos, no período entre 2003 e 2010, se pronunciou publicamente após ter sido condenado pelo juiz Sérgio Moro em um dos processos da Operação Lava Jato --o que se refere ao tríplex em Guarujá (SP). O petista foi sentenciado, na quarta-feira (12), a nove anos e seis meses de prisão em regime fechado. Ele vai recorrer em liberdade.

O ex-presidente também disse que a sentença é "uma tentativa de tirá-lo do jogo político", em referência a uma possível candidatura nas eleições presidenciais do ano que vem. "Se pensam que, com essa sentença me tiraram do jogo, podem saber que eu estou no jogo. Quero reivindicar a minha nomeação como postulante a candidato do PT nas eleições presidenciais."

Após a declaração, em tom de campanha eleitoral, o político foi aplaudido aos gritos de "olê, olê, olê, olá, Lula, Lula".

Em tom de campanha, o petista ainda criticou a reforma trabalhista, aprovada na terça-feira pelo Congresso. "Se eles acabaram de destruir tudo que foi de direito dos trabalhadores, eu queria dizer: senhores da Casa Grande, permitam que alguém da senzala faça o que vocês não têm competência. O povo está precisando de alguém que saiba a vida dura que leva o povo pobre desse país", complementou.

Lula foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro pela acusação de ter sido beneficiado com um tríplex em um condomínio em Guarujá (SP) e vai recorrer da condenação em liberdade. Moro acatou a denúncia do MPF (Ministério Público Federal) na qual, segundo a acusação, o ex-presidente recebeu propina por conta de três contratos firmados entre a empreiteira OAS e a Petrobras, entre 2006 e 2012. 

Segundo a última pesquisa Datafolha divulgada em junho, o petista lidera a corrida eleitoral para o Palácio do Planalto em 2018.

De acordo com Moro, o crime de corrupção envolveu a destinação de R$ 16 milhões "a agentes políticos do Partido dos Trabalhadores, um valor muito expressivo". "Além disso, de acordo com o juiz, o crime foi praticado em um esquema mais amplo no qual o pagamento de propinas havia se tornado rotina". O juiz apontou "culpabilidade elevada" de Lula, que recebeu, segundo ele, "vantagem indevida em decorrência do cargo de presidente da República, ou seja, de mandatário maior".

Fonte: UOL

Fagner Soares

0 comentários:

Postar um comentário