busin
Policia

Ex-presidente do Guarani e corretor de imóveis volta a ser preso por grilagem de terras em Juazeiro


Marcelo Santana já tinha sido preso em agosto de 2014 (Foto: Reprodução/Redes sociais)

O corretor de imóveis e ex-presidente do Guarani de Juazeiro, Francisco Marcelino Santana Filho, o "Marcelo" Santana, voltou a ser preso por volta das 13h30min desta segunda-feira. O mesmo é acusado de grilagem de terras e contra ele policiais civis da 20ª Delegacia Regional de Juazeiro cumpriram mandado de prisão expedido pela justiça. Marcelo já foi ouvido sobre a acusação pela Delegada Cícera de Jesus e se encontra recolhido à carceragem da 20ª DRPC.

A reportagem do Site Miséria não teve acesso ao conteúdo do depoimento relacionado com as investigações contra o ex-policial militar que foi preso no seu escritório que funciona na Rua Conceição. Nesta terça-feira ele deverá ser transferido para a cadeia pública de Juazeiro. Marcelo já tinha sido preso no dia 29 de agosto de 2014 quando a polícia cumpriu mandado de busca e apreensão no seu escritório anterior na mesma via, porém no cruzamento com a Rua São Jorge no centro da cidade.

Na época, a polícia cumpriu mandado assinado pela juíza da 1ª Vara da Comarca de Barbalha, Alexsandra Lacerda Batista Brito, com idêntica finalidade de investigar suposta grilagem de terras e a venda ilegal de terrenos da CONCASA. Na época, a justiça determinou a suspensão de obras por parte dos que adquiriram terrenos da CONCASA junto a Marcelo Santana que tinha sido presidente do Guarani até o mês de outubro de 2013.

O processo de liquidação judicial da CONCASA figurou num primeiro inquérito policial instaurado na 20ª Delegacia Regional de Polícia Civil de Juazeiro com a finalidade de apurar o duplo homicídio contra o vereador Amarílio Pequeno da Silva e o ex-policial civil, Dedé Bezerra. Depois, surgiu outro inquérito com novos indiciamentos. Todavia, a motivação daqueles crimes na noite do dia 20 de setembro de 2011 jamais foi esclarecida.



Por Demontier Tenório
Miséria.com.br

Fagner Soares

0 comentários:

Postar um comentário