busin
Brasil

Onyx Lorenzoni confirma fim do Ministério do Trabalho


Ministério do Trabalho será dividido em três outros ministérios (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)



O futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, confirmou na manhã desta segunda-feira, 3, o fim do Ministério do Trabalho no governo de Jair Bolsonaro. Em entrevista à Rádio Gaúcha, ele afirmou que as funções da pasta serão divididas entre os ministérios da Justiça, da Economia e da Cidadania.

“O Ministério do Trabalho ficará em parte com o Sergio Moro, na parte da concessão do imposto sindical, no Ministério de Justiça e Segurança. A outra parte, no caso de políticas, emprego, ficará parte no Ministério da Economia e outra parte no Ministério da Cidadania”, afirmou Onyx Lorenzoni.

O futuro chefe da Casa Civil também disse que o governo terá 22 ministérios a partir de 2019, sete a mais do que os 15 prometidos por Bolsonaro durante a campanha presidencial.

“Serão 20 ministérios funcionais e dois eventuais”, explicou o futuro ministro. Segundo ele, o Banco Central e a Advocacia-Geral da União, que já têm indicados, também perderão o status de ministério. A mudança depende da aprovação de uma Proposta de Emenda à Constituição.

Onyx também disse faltam ser indicados os ministros do Meio Ambiente e da pasta dos Direitos Humanos, Família e Mulheres. Para este ministério ganhou força o nome da advogada e pastora Damares Alves. “Os que faltam são esses. Ela (Damares) é a mais provável que seja confirmada ao longo da semana, mas quem confirma sempre é o presidente”, disse Onyx Lorenzoni.

O nome de Damares ganhou força depois que Bolsonaro rejeitou indicações feitas pela bancada evangélica. Damares é assessora do senador Magno Malta (PR-ES), que esperava um convite para compor o primeiro escalão. Parte da bancada avalia que a sondagem foi uma “afronta” e “ingratidão” a Malta. No sábado, Bolsonaro disse que ela está “na frente” para chefiar a pasta.

Para o Meio Ambiente, Bolsonaro informou que o nome do engenheiro agrônomo Xico Graziano não está descartado para a pasta — oriundo do PSDB paulista, seu nome enfrenta resistências do núcleo militar do novo governo.. “Coloquei para ele os problemas que temos e ele é extremamente favorável a atender o que eu propus a ele”, afirmou, citando como exemplo o grande volume, segundo ele, de multas aplicadas pelo Ibama. “O homem do campo não pode ter gente no governo maltratando quem produz”, declarou.

Fonte: Veja

Fagner Soares

0 comentários:

Postar um comentário