busin
Ceará

Cachoeiras no Ceará são opção de lazer para recarregar as energias; veja roteiro


A natureza tem respostas muito rápidas para as primeiras chuvas que alcançam o Ceará, como se espera em todo início de ano. A mesma água que colore de verde o chão do sertão, começa a se avolumar nos riachos e nos açudes. Em uma terra em que se fala tanto de seca, ouvir o barulho de uma cachoeira parece até exagero. Mas não é. Elas existem e também começam a responder as primeiras águas que caíram no Estado desde dezembro do ano passado.
Distribuídas por algumas regiões cearenses, essas quedas-d'água funcionam como balneários e espaços de contemplação. Estão por aqui há muito tempo e, ainda assim, provocam surpresa nos desavisados. Quem já conhece sabe que as cachoeiras do Estado são excelentes alternativas de lazer, em especial para quem busca tranquilidade e renovação de energias a partir de um contato maior com a natureza.
Histórias e lazer
Nesta edição, o Verso traz um roteiro com cachoeiras situadas em três regiões do Ceará, que já começam a atrair visitantes desde que o céu se encheu de nuvens. No Maciço de Baturité, por exemplo, a menos de 100 quilômetros da Capital, os visitantes já se divertem com as quedas-d'água.
O mesmo atrativo leva os frequentadores à Região Norte, em cidades como Ubajara, Meruoca e Ipu, esta última abriga uma cachoeira famosa pelo banho da Índia Iracema, criada pelo escritor José de Alencar. Outra atração fica no Cariri, onde o passado e o lazer encontram intercessão nos geossítios do Araripe. Conheça esses destinos e prepare-se para se energizar.

Maciço de Baturité

O friozinho serrano não atrapalha o convite para um banho nas cachoeiras do Maciço de Baturité. Na verdade, o tempo mais ameno e a tranquilidade da natureza até funcionam como um incentivo para se aventurar nas quedas-d'água que se espalham na região, desde o município que dá nome ao Maciço até Mulungu.
Para quem sobe a serra, pela CE-356, uma das primeiras opções é o Parque das Cachoeiras, na zona rural de Baturité. Já na estradinha de terra que dá acesso ao lugar, com extensão de 700 metros, o barulho das quedas-d'águas orienta os turistas.
Parque das CachoeirasParque das Cachoeiras
No Parque das Cachoeiras, localizado na zona rural de Baturité, a pousada é uma opção para quem busca a tranquilidade, com fácil acesso às quedas-d'água.FOTO: RÔMULO COSTA
De águas pacatas e fácil acesso, a Cachoeira de Santa Edwiges, localizada numa propriedade privada, é uma boa alternativa de diversão para toda a família. Durante a semana, o local é pacato, ideal para quem deseja usufruir com tranquilidade.
O cenário muda a partir de sexta-feira, quando a cachoeira atrai visitantes que, além do banho, procuram a boa estrutura do local - com passeios pavimentados, mesas, cadeiras e o serviço de restaurante.
Mais acima, ainda na área do Parque, uma pequena trilha na mata dá acesso a outra queda-d'água. O espaço, mais rústico, é uma alternativa para quem prefere um contato maior com a natureza, inclusive em dias de movimento intenso.
Trilhas
Saindo de lá, basta percorrer 900 metros pela rodovia para chegar à pousada Recanto das Cachoeiras. Com estrutura simples, a área mantém o ambiente quase ao natural. Para chegar até a Cachoeira da Talita, a principal para banho, o visitante faz uma curta caminhada em trilha pela mata - bem sinalizada, porém não pavimentada.
Recanto das Cachoeiras 2Recanto das Cachoeiras 2
Com suave corredeira, o Recanto das Cachoeiras é apropriado para quem pretende se banharFOTO: RÔMULO COSTA
"O ambiente é bom porque a natureza passa uma paz muito grande. Não tem barulho de carro, nem da cidade. A sensação é de que todos os problemas vão embora com a correnteza", recomenda a nutricionista Gabriela Gomes, 22.
Ainda no local, há um mirante para a Cachoeira do Perigo, com 84 metros de altura. Nela, o banho não é indicado, mas proporciona uma boa visão da natureza. Além dessas opções, bastante conhecidas na área, existem outras alternativas para os visitantes mais tranquilos e também para os aventureiros - com caminhadas que ultrapassam uma hora pela mata. A dica é buscar guias da região para consultar a melhor forma de curtir as belezas naturais do Maciço de Baturité.
Parque das Cachoeiras
Distância de Fortaleza: 
90 km
Período para visitar: Janeiro a agosto
Grau de dificuldade: Fácil
Como chegar: Subindo a serra pela CE-356, fica logo depois a sede de Baturité, no Km 8. Após a entrada, passa por uma pequena via de terra por cerca de 700 metros.
Hospedagem: Diária de R$ 200 para quarto duplo (cama de casal, varanda, frigobar e TV). R$ 60 para cada adicional.
Ingresso: R$ 5 (não-hóspedes)
Informações: (85) 3302.1416
Recanto das Cachoeiras
Distância de Fortaleza: 90 km
Período para visitar: Janeiro a agosto
Grau de dificuldade: Fácil
Como chegar: Subindo a serra pela CE-356, fica após o Parque das Cachoeiras, cerca de 900 metros.
Hospedagem: Quarto duplo - R$ 120. Quarto triplo - R$ 150. Chalés entre R$ 150 e R$ 300. Café da manhã incluso.
Ingresso: R$ 3 (não-hóspedes)
Informações: (85) 99659.6222 / 98660.2737

Região do Cariri

Quem visita o Cariri, além da rica cultura local, também tem a possibilidade de conhecer as belezas naturais da região marcada pela Chapada do Araripe. Um dos cartões-postais de lá é a Cascata do Lameiro, localizada no Crato, a cerca de 3 km da sede do município. A queda-d'água que escorre entre pedras e vegetação atrai visitantes o ano inteiro, porém costuma ficar ainda mais frequentada quando as primeiras chuvas banham o Ceará, sempre no começo do ano.
Image-1-Artigo-2499091-1Image-1-Artigo-2499091-1
Com 8 metros de altura, banhistas mais ousados chegam a saltar da Cascata do Lameiro, no Crato.FOTO: ANTONIO RODRIGUES
De acesso livre, sem cobrança de ingresso, os visitantes precisam passar por uma escada improvisada e atravessar uma pequena trilha na beira da estrada para chegar até a cascata. Após essa travessia, a imagem da queda-d'água surge como um convite para o mergulho. E há mesmo quem aproveite. Abaixo dela, forma-se uma área de banho com aproximadamente 2,5 metros de profundidade. As árvores e pedras do lugar servem de trampolim para alguns banhistas afoitos que encontram a água após o salto.
Os dias mais tranquilos para visita são durante a semana, quando algumas famílias preferem ocupar o espaço. Aos sábados e domingos, a área fica mais movimentada. É importante permanecer sempre atento aos buracos e às pedras soltas na estrada que dão acesso ao local de banho, podendo assim possíveis acidentes.
Missão Velha
Ainda na região do Cariri, uma opção de visita é a Cachoeira de Missão Velha - um dos nove geossítios do GeoPark Araripe. Com quedas-d'águas que alcançam cerca de 12 metros, esse é um dos grandes atrativos da região - mais pela beleza e a importância histórica, do que pela possibilidade de banho, em razão da força da água.
O fluxo é tão intenso que, em 1967, chegaram a construir um balneário particular por lá, mas foi destruído pela queda-d'água. Ainda assim, a visita reserva momentos interessantes pelo valor histórico preservado na área. Assim como os demais geossítios da região, a Cachoeira de Missão Velha guarda um registro de pelo menos 420 milhões de anos.
Image-0-Artigo-2499091-1Image-0-Artigo-2499091-1
Em Missão Velha, as cachoeiras chegam a 12 metros de altura em um dos nove geossítios do Geopark Araripe.FOTO: ANTONIO RODRIGUES
Formada por arenito, a cachoeira foi construída a partir de sedimentos depositados na região quando o espaço ainda era ocupado por um mar raso, que antecede a formação da própria Bacia Sedimentar do Araripe. Fósseis de antigos animais invertebrados aquáticos resistem como vestígios desse tempo. Vem daí o interesse científico que atrai, até hoje, pesquisadores de todo o mundo.
Há ainda vestígios de pequenas aldeias construídas pelos jesuítas, que se organizaram em missões para doutrinar tribos indígenas. Ruínas dessas antigas ocupações ainda podem ser alcançadas pelos visitantes. Além do rico valor histórico, o espaço mantém um belo cenário natural que vale a pena a visita.
Cascata do Lameiro (Crato)
Distância de Fortaleza:
 512 km
Período para visitar: Janeiro a abril
Grau de dificuldade: Fácil
Como chegar: Segue pela CE-122 até o Centro de Crato. De lá, percorre por 3 km a Avenida Horácio Pequeno até o bairro Lameiro. Após a Praça Alcântara Vilar, segue pela Avenida Ribeiro de Andrade por 400 metros.
Cuidados: Rochas escorregadias e lama dificultam a descida para as principais áreas de banho
Ingresso: Gratuito
Cachoeira de Missão Velha
Distância de Fortaleza:
 515 km
Período para visitar: Janeiro a maio
Cuidados: Não ultrapassar as cercas demarcadas antes das quedas-d'água
Grau de dificuldade: Fácil
Como chegar: Segue pela BR-116 até Milagres. Lá, continua pela CE-293. No Centro de Missão Velha, pega rodovia asfaltada de 3km até a Cachoeira
Banho: Recomendado quando não há chuvas fortes
Ingresso: Gratuito

Região Norte

A natureza também reservou boas opções para quem pretende relaxar nas águas da Serra da Ibiapaba, na Região Norte do Estado. Com trilhas pela mata que rendem belas fotografias, o Parque Nacional de Ubajara é um dos principais destinos para quem deseja curtir as cachoeiras, o miniarvorismo e os rústicos mirantes. É a partir deles que se avista as cachoeiras do Cafundó e a do Gavião.
Image-1-Artigo-2498725-1Image-1-Artigo-2498725-1
Após 3 km de caminhada pela mata, a Cachoeira do Cafundó, em Ubajara, convida para o banho.FOTO: MARCELINO JR.
Para chegar até a primeira delas é necessário percorrer um pouco mais de 3 km pela mata em um caminho, considerado pelos guias, como de difícil acesso. O passeio, que custa R$ 12 por pessoa, é feito com um guia, e dura uma média de três horas, com paradas para descanso e contemplação da natureza. A recompensa é o banho nas águas da Cachoeira do Cafundó, com 75 metros de queda.
O parque tem ainda outras quatro cachoeiras que atraem turistas para a área, principalmente no período de chuva. De acordo com a Secretaria de Turismo de Ubajara, 80 mil pessoas visitaram o parque no ano passado - 10 mil a mais do que no ano anterior.
Ipu
No sopé da Serra da Ibiapaba, está a Bica do Ipu, queda-d'água de 130 metros de altura que consta no clássico romance "Iracema" (1865), do cearense José de Alencar. Própria para o banho, a "bica" atrai visitantes do Ceará e de outros estados como Piauí e Maranhão.
Image-0-Artigo-2498725-1Image-0-Artigo-2498725-1
A Bica do Ipu, em Ipu, é atrativo para turistas cearenses e também de outros estados como Piauí.FOTO: MARCELINO JR.
"Vim conhecer a convite de amigos que fizeram esse passeio no ano passado e resolveram voltar. Antes, a queda-d'água estava seca, mas agora o 'véu de noiva' está bem visível", conta a aposentada Márcia Gervásio, de Piripiri, no Piauí.
Meruoca
Outra serra que se destaca pelo turismo ecológico é a da Meruoca, espaço que garante muitas opções de queda-d'água, bicas e pequenas cascatas. Apesar da água fria, que escorre por entre as pedras e a vegetação, os turistas aproveitam o banho.
Image-2-Artigo-2498725-1Image-2-Artigo-2498725-1
Na Meruoca, é possível se revigorar nas quedas-d'água Véu de Noiva.FOTO: MARCELINO JR.
A Cachoeira Véu de Noiva (12 metros de queda), na localidade de Pintos, é uma das mais procuradas. Ao chegar lá, o carro pode ser estacionado no Restaurante do Paulo César, de onde o turista segue cerca de 100 metros de descida por uma escada de pedras. Ao fim, o som da cachoeira já convida para um banho revigorante.
Cachoeiras Cafundó e Gavião (Ubajara)
Distância de Fortaleza: 330km
Período para visitar: Dezembro a junho
Grau de dificuldade: Alto
Como chegar: Partindo da Capital, o acesso é pela BR-222, subindo pela Ibiapaba, até Ubajara. Dentro da cidade, as placas indicativas conduzem o turista até o Parque Nacional de Ubajara. Para chegar nas cachoeiras, é preciso fazer uma trilha que pode levar até três horas.
Banho: Recomendado
Ingresso: Passeios com guia acompanhante para Cachoeira Cafundó (R$ 12) e Gavião (R$ 8)
Cachoeira Véu de Noiva (Meruoca)
Distância de Fortaleza
: 251 km
Período para visitar: Dezembro a junho
Grau de dificuldade: Médio
Como chegar: Saindo de Fortaleza (251 km) pela BR- 222, o visitante passa por Sobral, seguindo pela CE- 440. Para acessar a Cachoeira Véu de Noiva, o visitante precisa passar por via carroçável. Deixa o carro no Restaurante do Paulo César e desce uma escadaria com cerca de 100 metros.
Banho: Recomendado
Ingresso: Gratuito
Bica do Ipu (Ipu)
Distância de Fortaleza: 302 km
Período para visitar: Dezembro a junho
Grau de dificuldade: Médio
Como chegar: Todos os acesso são pela CE-187. A bica do Ipu fica a cerca de 2 km da sede.
Banho: Recomendado
Ingresso: Gratuito

Fonte: DN

radioprogresso

0 comentários:

Postar um comentário