busin
Cariri

Defensoria realiza força-tarefa para analisar processos na PIRC, em Juazeiro do Norte



A partir desta segunda-feira (22), a Defensoria Pública do Estado do Ceará fará uma força-tarefa de análise processual dos internos que estão na Penitenciária Industrial Regional (PIRC), localizada, em Juazeiro do Norte. O esforço concentrado ocorre em parceria com a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) e segue até sexta-feira (26), na terra do Padre Cícero.
Maior unidade prisional do Cariri, a PIRC tem seu efetivo 62% maior que a capacidade total do espaço. Em março, o prédio tinha 894 presos, porém, ele foi construído originalmente para 549 internos. Esse será a realidade encontrada pela força-tarefa. A proposta é avaliar a situação processual e os benefícios legais que podem ser requeridos ao Poder Judiciário.
O grupo de trabalho será composto por defensores públicos atuantes no Núcleo Especializado em Execuções Penais (Nudep) e os defensores titulares de Juazeiro do Norte. Além disso, o grupo também conta com auxílio de advogados designados pela SAP.
Segundo a defensora pública Marylene Venâncio, supervisora do Nudep, a escolha da PIRC atende a uma solicitação dos defensores da região. “Após realizarmos várias etapas na Região Metropolitana de Fortaleza, recebemos o pedido do Cariri, diante da crescente demanda encontrada na PIRC”, pontua.
O defensor público Célio Saraiva, supervisor do núcleo defensorial em Juazeiro do Norte, explica que muitos familiares de internos procuraram a Defensoria para avaliar os processos judiciais a que estão submetidos os parentes encarcerados bem como tem trazido denúncias de violações de direitos na unidade.
“Dada essa grande demanda, solicitamos esse apoio neste momento. Sabemos que há internos que já atingiram tempo de pena cumprida e podem ter benefícios previstos na Lei de Execuções Penais, como remissão de pena e direito ao trabalho. Sem falar dos presos que vieram de outras comarcas e o processo ainda não chegou à Vara de Execuções de Juazeiro do Norte. Então, é uma realidade preocupante que exige um trabalho reforçado e que, a partir disso, peticionaremos ao judiciário”, afirma Célio Saraiva.
A força-tarefa entra agora na quinta etapa. Iniciada em fevereiro deste ano, já analisou processos de quatro unidades prisionais cearenses: Instituto Presídio Professor Olavo Oliveira II (IPPOO II), Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Jucá Neto (CPPL III), Unidade Prisional Agente Luciano Andrade Lima (CPPL I) e Unidade Penitenciária Francisco Adalberto de Barros Leal (CPPL Caucaia). Os pedidos protocolados, bem como a situação processual dos internos, passam a integrar um relatório, encaminhado ao Governo do Estado.

Fonte: DN

radioprogresso

0 comentários:

Postar um comentário