busin
Cariri

Justiça suspende contrato entre empresa de tratamento de lixo e Prefeitura de Barbalha



A Justiça determinou a suspensão provisória do contrato entre a URS – Tratamento de Resíduos LTDA e a Prefeitura de Barbalha após o Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) apontar diversas irregularidades na forma de seleção e contratação da empresa. Em caso de descumprimento, o poder público municipal deverá pagar R$ 1 mil por dia.
A Ação Civil Pública (ACP), assinada pelo promotor de Justiça Nivaldo Magalhães Martins, aponta que a usina de pirólise foi selecionada através da modalidade “Chamamento Público”, porém, de acordo com a Lei Nº 8.987/95, a Prefeitura deveria ter realizado a modalidade licitatória “Concorrência”, tendo em vista que a concessão seria um contrato duradouro.
“Desejamos amenizar os riscos e prejuízos ao meio ambiente e a que estão expostos também a população barbalhense; e que os gestores municipais deem uma solução responsável e ambientalmente adequada ao lixão de Barbalha”, disse o promotor de Justiça.
Outra irregularidade apontada pela Promotoria de Justiça é a ausência de licença ambiental. “Em face da demora na obtenção da licença ambiental, tem-se que a atividade de pirólise desenvolvida pela empresa gera riscos ao meio ambiente, devendo se ter a cautela necessária à luz do princípio da precaução, bem como vai de encontro ao que prescreve a Lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei n. 12.305/10)”, consta na ação.
A ACP foi ajuizada no dia 15 de maio e a decisão foi emitida pela Justiça no dia 27 do mesmo mês. Os citados na ação têm 15 dias para oferecer contestação e, caso o prazo esgote sem apresentação de defesa, a Justiça considerará verdadeiras as ilegalidades apontadas pelo Ministério Público.

Fonte: DN

radioprogresso

0 comentários:

Postar um comentário