busin
Cariri

Usuários vão pagar mais pelo almoço no Restaurante Popular em Juazeiro do Norte


Sedest também estuda a possibilidade de aumentar a oferta de pratos. (Foto: Divulgação)


Usuários dentro e fora do público alvo do Restaurante Popular de Juazeiro do Norte deverão pagar mais nos próximos meses. O anúncio foi feito nesta quinta-feira, 13, no site da Prefeitura. Em entrevista ao Miséria, o secretário adjunto da SEDEST, Thiago Pereira, ainda falou sobre a possibilidade do aumento da oferta de pratos até o fim do ano.

Com o aumento, o público alvo devidamente cadastrado pagará R$ 2,00 (aumento de R$ 0,50), já o preço de usuários fora do público alvo que almoçam no equipamento será debatido no Conselho Municipal em reunião próximo dia 19.

Thiago assegura que medida não vai impactar de maneira drástica o bolso do usuário fora do público alvo, mas o aumento será realidade. Hoje, o Município paga R$ 5,75 por prato, sem levar em consideração contas de luz, água, gás e pessoal. Desses, o usuário atualmente paga R$ 1,50. 

"O Restaurante Popular é um equipamento público, voltando para atender a população em insegurança alimentar. Ele não visa lucros, mas precisamos pensar em sua sustentabilidade", comentou Thiago. Uma das medidas tomadas tem sido a implementação de hortas comunitárias no restaurante. 

Outra possibilidade é do aumento do número de pratos ofertados, uma reclamação frequente de quem enfrenta a fila do Restaurante. Atualmente são servidos o limite de 450 pratos por dia. Em 2014, eram servidas mais 1.000 refeições diárias e, em 2008, quando inaugurado, a pretensão era servir até 4 mil pessoas por dia.

Qualquer pessoa pode utilizar o serviço do Restaurante Popular, que tem prioridade de atendimento para o público do Centro Pop, idosos, pessoas com deficiência, grávidas e pessoas com criança de colo.

O município ainda possui outras quatro cozinhas comunitárias, localizada nos bairros João Cabral, Frei Damião, Vila Nova e Horto, com potencial para receber 200 pessoas por dia.


Por Alana Soares/ Agência Miséria
Miséria.com.br

Fagner Soares

0 comentários:

Postar um comentário