busin
Fama

Andressa Urach fala de recaída e descoberta de sífilis



Ex-vice Miss Bumbum conta como lidou com os vício em drogas sexo e saiu da depressão. Andressa Urach descobriu DST anos após deixar prostituição (Foto: Thais Aline/Agência Fio Condutor)
Andressa Urach, que já viveu da prostituição antes de sua conversão ao evangelho, contou em seu novo livro Desejos da Alma, da editora Unipro, que teve uma recaída em seu voto de castidade. A apresentadora, que há quatro anos se afastou da fama, drogas e prostituição, explicou para Quem que não conseguiu conter o desejo quando voltou a se relacionar com Tiago Costa, pai de seu filho, Arthur.
“Quando me converti, abri mão da vida sexual. Depois de dois anos sem fazer sexo, acabei caindo no pecado com o meu ex-marido. Só que na época a gente não estava casado. Veio a culpa porque eu errei. Nem gosto de falar sobre isso porque não gosto de falar dos outros. Foi uma escolha minha. Eu não deveria ter me relacionado com ele. Não era a vontade de Deus, ele não tinha a mesma fé. É difícil para uma pessoa que não é cristã entender que o sexo só deve ser feito depois do casamento. Me fazia mal desobedecer a Deus e me prejudicou. Quase me perdi nisso. A escolha errada na vida sentimental quase me abalou espiritualmente. Escolher um relacionamento tem que ser muito bem pensado. A ansiedade me atrapalhou”, disse ela, que anunciou o fim do casamento em 2017, após seis meses de união.
Solteira e com 32 anos de idade, Andressa não está à procura de um novo relacionamento. Ela está há dois anos sem beijar na boca.
“Depois que me divorciei, precisei de um momento de cura. Ninguém casa para se separar. Foi um momento muito difícil. Não me sentia preparada para ter outra pessoa e é algo que ainda estou estudando. Estou em uma fase que estou aproveitando tanto o meu filho que uma outra pessoa talvez não tenha espaço. Ele me ajudou tanto neste fase. Chorei e sofri muito mesmo.”
No passado, Andressa nunca poderia imaginar que passaria tanto tempo sem se relacionar com uma pessoa. “Quando me converti, o mais difícil foi vencer o vício pelo sexo. Eu dormia com um homem por noite. Todo dia tinha alguém diferente. Nunca imaginei que um dia ficaria tanto tempo sem ter relação sexual com um homem. Antes nem queria me converter porque não queria deixar essa vida sexual. Mas o que eu encontrei na fé, a paz que ganhei, foi maior do que esses prazeres momentâneos da fama e do sexo”, conta.
DOENÇA SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEL
Neste ano, Andressa descobriu durante uma doação de sangue que estava com sífilis. Ela explica que o estágio era inicial ainda e que por isso conseguiu se curar totalmente.
“Fui descobrir neste ano e foi um choque para mim. Descobri quando fui doar sangue no Sul em uma campanha. O hospital me chamou e recebi o diagnóstico de sífilis. Não sei de onde veio. Vi Deus me guardando porque o estágio ainda era o primeiro. Não tinha nem os sintomas ainda. Não tinha nada! Não sei de onde veio, se foi do hospital, da vida promíscua que eu tinha ou de um relacionamento. Mas se for parar para pensar, se eu tivesse isso há dois ou quatro anos, já era para estar no estágio final. Minha última relação sexual foi há dois anos. Vi Deus me guardando porque se estivesse em estado avançado poderia ter me levado à morte”, conta ela que fez um tratamentos com injeções durante três semanas.
*Conteúdo “Revista Quem

Fagner Soares

0 comentários:

Postar um comentário