busin
Tecnologia e Games

The Sims, o simulador de realidade, completa 20 anos

  
O game The Sims, da Maxis, chegou ao mundo em fevereiro de 2000 com desconfianças. Afinal, era um jogo em que você construiria um personagem, uma carreira, simularia uma vida. Não havia nada igual. Aquilo tudo virou um “simulador de realidade”. E pegou, como pegou.
Lembro de jogar várias horas dele. Repassei toda a minha coleção para minha prima, mas anos depois meu filho conheceu o jogo e começou a brincar com ele.
O sucesso deste gênero é gigante. São 4 títulos principais e 34 expansões que aumentam ainda mais a longevidade do game. Para se ter ideia, em 2014 chegou o “último” The Sims. Porém, todo ano temos uma expansão para ele.
Quem diria que o criador do mítico SimCity (o simulador de administração e criação de cidades), Will Wright ficaria ainda mais famoso com outro game, no caso The Sim. 20 anos se passaram e poucos nostálgicos lembram de SimCity. Porém, poucos não vão saber que game é The Sims.


The Sims no lançamento, em 2000. Foto: Reprodução
Não há guerras para disputar ou missões com sangue e violência como games famosos como a ótima franquia Call of Duty, mas ficar pouco tempo na tela do computador, videogame ou celular jogando The Sims é uma missão praticamente impossível.
A sensação de criar uma vida, administrá-la, vê-la alcançar o sucesso ou lamentar o fracasso, construir casas impossíveis de termos em algum momento da vida, enfim, simular uma realidade, é algo que fascina. Talvez exatamente por isso o jogo já tenha ultrapassado a marca de 20 milhões de usuários. É gente!
Distribuído pela Electronic Arts (EA) pelo mundo, The Sims deve ter muitos anos de vida ainda. Afinal, assim como games do passado, ele tem comunidade fortes que criam mods, os modificadores do jogo para inserir personagens, estruturas e criar novas histórias. Isso aumenta o sentimento de pertencimento e a vida útil do jogo, claro.
Por tudo isso desejamos vida longa a The Sims. Agora você me dá licença que deu vontade de voltar a jogar depois de muito tempo. Vamos?

radioprogresso

0 comentários:

Postar um comentário