busin
Economia e Negócios

Receita líquida da M. Dias Branco cresce 1,3% e atinge R$ 6 bilhões



Grupo planeja crescimento com oferta de novos produtos e internacionalização de vendas

Mesmo diante de um cenário desafiador em 2019, com câmbio elevado e baixo crescimento econômico, a M. Dias Branco obteve uma receita líquida de R$ 6,025 bilhões, alta de 1,3% ante 2018. 
Para a companhia cearense, líder nacional em massas e biscoito, o resultado foi puxado, dentre outros fatores, pelo preço médio de seus produtos 4,2% maior e pelos resultados da Piraquê, adquirida em maio de 2018 e com forte presença na região Sudeste. Para executivos da empresa, os bons números do quarto trimestre de 2019 sinalizam o início de um ciclo de crescimento de longo prazo, com planos de expansão tanto no mercado interno como externo. 
“O principal destaque (dos resultados de 2019), principalmente no quarto trimestre, é que a gente iniciou um novo ciclo de crescimento, resultado de alguns ajustes feitos ao longo do ano”, diz Fabio Cefaly, diretor de Novos Negócios e Relações com Investidores da companhia. 
“No terceiro trimestre, embora o resultado tenha ficado abaixo do que esperávamos, vimos que a condição do crescimento tinha sido criada. E no quarto trimestre os números voltaram, menos pelas condições de mercado e mais pela nossa execução do nosso projeto estratégico”.
Plano estratégico
O vice-presidente de Investimentos e Controladoria, Gustavo Lopes Theodozio, diz que, ao longo de 2019, os custos da companhia foram impactados por dois fatores: os custos dos insumos, em particular do trigo, que é importado (valor dolarizado), e pela fraca atividade econômica do País. “Quando isso acontece, você não consegue repassar integralmente os seus custos. E foi a partir do plano estratégico elaborado em julho que os resultados começaram a aparecer”, diz.
Segundo Theodozio, a estratégia para amenizar os impactos da alta do dólar foi buscar vender “mais e melhor”, conforme previsto no plano estratégico. “O primeiro pilar foi a expansão regional, no Nordeste e Sudeste. A gente tem um mar de oportunidade com a Piraquê em Minas Gerais, no Paraná e no Sul do País, além do Rio de Janeiro”, diz.
Para 2020, diz ainda que existe um plano de expansão forte focado em São Paulo. “O nosso plano é crescer em novos produtos, com novos negócios, além da internacionalização da companhia, que é a última parte do plano estratégico”.
Na mensagem dos presidentes, publicada na divulgação dos resultados do quarto trimestre de 2019, o CEO da companhia, Ivens Dias Branco Júnior, e a presidente do Conselho de Administração, Consuelo Dias Branco, ressaltam que o ano de 2019 foi “bastante desafiador”, destacando o direcionamento estratégico da companhia para os próximos cinco anos, baseado em um “plano robusto de crescimento” nos seus mercados de atuação e no fortalecimento das exportações.
Comércio exterior
Embora a M. Dias Branco exporte para 35 países, da América do Sul, América do Norte e África, as vendas internacionais representam apenas 1% da receita da companhia. “As exportações têm crescido dois dígitos, com margens bem atrativas. Estamos vendendo algo próximo de R$ 100 milhões”, disse Theodozio. Sobre os possíveis impactos de turbulências internacionais, como o coronavírus, o executivo diz que não haverá mudanças nos planos da companhia. “Temos que controlar a execução do nosso plano estratégico. Não dá para ficarmos sofrendo com as questões globais. O que a gente viu é que, até agora, não tem efeito no nosso setor”. 
Resultado 2019
Sobre os resultados de 2019 (faturamento líquido de R$ 6,1 bilhões e lucro líquido de R$ 556,9 milhões), considerados aquém do previsto, os presidentes da M. Dias Branco avaliam que a conjunção de fatores desfavoráveis, como os elevados custos de commodities, matérias-primas e alguns insumos, aliados a um ambiente de consumo retraído e por elevados níveis de estoque dos clientes, contribuíram de forma negativa para o não atingimento de metas.
“Nesse contexto, reagimos rapidamente, adotando medidas com vistas à retomada do crescimento de volume e com maior lucratividade, o qual já podemos observar os primeiros resultados do último trimestre do ano, que apresentou aumento nos volumes e com melhores margens. Essa mudança alcançada nos resultados nos sinaliza a coerência dos caminhos adotados pela Companhia, projetando uma recuperação bastante positiva”, dizem os presidentes.
Quarto trimestre
No quarto trimestre de 2019, o destaque foi o aumento do lucro em 89,5% e da receita líquida em 7,2%, na comparação com igual período de 2018, chegando a R$ 1,694 bilhão. A empresa atribui o resultado ao crescimento das linhas de biscoitos e massas, que apresentaram acréscimo de volume e preço médio. A quantidade de biscoitos vendidos cresceu 1,8%, com aumento de 2,6% no preço médio. E o volume de massas comercializadas avançou 3,3%, com incremento de 5,2% no preço médio. Já as vendas foram ampliadas em 10,8% no período. 
E a capacidade de produção passou de 66,5%, no quarto trimestre de 2018, para 74,3%, no último trimestre do ano passado. O quarto trimestre mostrou também a retomada dos volumes vendidos pela companhia, com 744 mil toneladas, o melhor resultado dos oito últimos trimestres, o que contribuiu para o incremento da capacidade de produção. E os investimentos em produção, distribuição e tecnologia somaram R$ 101,7 milhões.
Segundo a empresa, com a operação do novo moinho de trigo em Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, a verticalização de farinha de trigo passou de 81,2% para 92,5%, no quarto trimestre.
Cenário econômico
Mesmo diante de um cenário ainda pautado pelos custos elevados dos insumos e consumo enfraquecido, a empresa ressalta que os resultados do quarto trimestre indicam que as medidas comerciais e operacionais adotadas ao longo de 2019, com foco na retomada do crescimento sustentável e da lucratividade, estão entregando os primeiros resultados favoráveis. Já em relação à participação de mercado (mar-ket share), medido pela Nielsen para o segmento de biscoitos e massas, a empresa encerrou 2019 na liderança em ambos, respectivamente com 32,2% e 32,9%.

Fonte: DN

radioprogresso

0 comentários:

Postar um comentário